Terça, 24 de Novembro de 2020 05:46
(42) 99933-8602
Campos Gerais Rural Mate

Chimarrão: o consumo continua? Tradição do mate permanece viva no Paraná mesmo com pandemia

Hábito de tomar chimarrão e tereré se remodelou, mas, consumo individual permanece firme com mais pessoas em casas durante a pandemia

28/10/2020 15h19
159
Por: Redação Fonte: Campos Gerais Rural
Chimarrão: o consumo continua? Tradição do mate permanece viva no Paraná mesmo com pandemia

O mate é o principal produto florestal não madeireiro cultivado no Paraná. Entre a Emancipação Política do Paraná (1853) e a crise de 1929, a erva já foi o principal produto paranaense, e já chegou a representar 83% da economia do estado. O hábito agroecológico de ingerir a erva foi introduzido no Brasil pelos indígenas, e posteriormente, o consumo foi adotado pelos colonizadores que enxergaram um potencial econômico no produto.

As conexões entre as regiões de Ponta Grossa, Curitiba e Morretes consolidaram a Rota do Mate. Esses caminhos percorridos para possibilitar o escoamento da erva contribuíram para que as cidades se desenvolvessem.

Hoje, São Mateus do Sul lidera a produção da erva-mate no Paraná. Em 2018, o Paraná concentrou 87% de toda a produção da planta no Brasil, conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

 

Consumo da erva-mate na pandemia

Com a pandemia do novo coronavírus, a necessidade de evitar compartilhar objetos fez com que as rodas de chimarrão e de tereré ganhassem novos ares. Ao invés de compartilhar a cuia, cada um precisou ter a sua individual.

E como ficou a questão do consumo? As pessoas continuam ingerindo as bebidas, mesmo com as restrições de compartilhamento? Sim, é o que diz a Federação da Agricultura do Estado do Paraná (Faep), após conversas com produtores e indústrias, que apontaram aquecimento do mercado.

Em entrevista concedida à Federação, o presidente do Conselho Gestor da Erva Mate (Cogemate) do Vale do Iguaçu, Naldo Hiraki Vaz, indicou que um dos condicionantes do alto consumo é o fato de as pessoas estarem mais em seus domicílios. “A pandemia fez as pessoas ficarem mais em casa e isso aumentou bastante o consumo nos três grandes consumidores de chimarrão no mundo: Brasil, Argentina e Uruguai. Todo mundo está em casa, toma um mate, faz outro, diferente do escritório que não dá muito tempo. E tem ainda o fato de que muitos estão tomando em cuias individuais”, disse Naldo à Faep.

O presidente do Cogemate também afirma que o estoque baixo da Argentina contribuiu para que, além do consumo próprio, a erva-mate também tivesse alta nas exportações. “Eles [argentinos] estão com uma reserva baixa do produto. Isso por causa do aumento do consumo durante a pandemia. Além disso, a Argentina é um dos maiores exportadores de erva-mate para o mundo. Ou seja, passaram a exportar mais também e, para suprir a demanda, foram obrigados a comprar de outros lugares, ou seja, do Paraguai e do Brasil”, ressaltou.

Portanto, mesmo com mudanças no hábito, a venda e o consumo do mate continuam firmes no Paraná, o que demonstra a solidez da raiz cultural e histórica acerca do produto.

 

O hábito de consumir a erva-mate

Dias frios e dias quentes. Entre família e amigos ou até mesmo individual. Pela manhã, tarde ou noite. Apreciando a paisagem, ou durante intervalos de trabalho e estudos. O hábito de consumir a erva-mate é uma das marcas do paranaense. Não é à toa que a planta está estampada na bandeira do Paraná, como um dos símbolos históricos da cultura do estado.

Na região dos Campos Gerais é o chimarrão que predomina. Acordar cedo, colocar a água esquentar, a erva na cuia e “tuff”, começar a ingerir a bebida. Contendo cafeína em sua composição, o consumo é ótimo para dispersar o sono e começar o dia com mais disposição. Em casa, a mãe ou pai faz. O filho acorda, pega a garrafa térmica, enche a cuia e toma um gole também antes de ir para a escola. O pai, a mesma coisa, antes de ir para o trabalho. Lá, ele também tem equipamentos para fazer o seu próprio chimarrão e tomar no escritório. Em dias frios, as visitas chegam para comer uma quirera ou uma vaca atolada e, depois, “dale gole” durante a conversa, ainda sobre a mesa ou no sofá da sala.

E tem também o tereré. Esse é mais comum nos dias quentes, na região Norte e Noroeste do estado. Mas, no verão, até nas regiões que geralmente são as mais frias do estado há o consumo da bebida. A erva-mate é colocada na cuia ou em um copo de alumínio, a bomba entre a erva e, depois, só inserir uma água bem gelada, pura mesmo, ou com limão, hortelã, burrito e até um suco. Bebida ótima para dar aquela revigorada em tempos quentes e, principalmente, ser um atrativo para encontrar os amigos. “Jonas, vamos tomar um tereré hoje? Pode ser aqui em casa”. E, pronto, lá estavam eles compartilhando a mesma bomba, a mesma cuia, a mesma garrafa, contando históricas, fofocas e até “puxando” uma rodinha de violão.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ponta Grossa - PR
Atualizado às 05h46 - Fonte: Climatempo
14°
Poucas nuvens

Mín. 14° Máx. 28°

14° Sensação
20.3 km/h Vento
89% Umidade do ar
0% (0mm) Chance de chuva
Amanhã (25/11)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 16° Máx. 30°

Sol com algumas nuvens
Quinta (26/11)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 18° Máx. 32°

Sol com algumas nuvens
Ele1 - Criar site de notícias