Quarta, 21 de Outubro de 2020 03:49
(42) 99933-8602
Curiosidade ‘A

‘A agricultura do futuro terá base biológica’, diz diretor do Ministério da Agricultura

‘A agricultura do futuro terá base biológica’, diz diretor do Ministério da Agricultura

22/06/2020 10h44 Atualizada há 4 meses
23
Por: Vanessa
‘A agricultura do futuro terá base biológica’, diz diretor do Ministério da Agricultura

O recém-lançado Programa Nacional de Bioinsumos foi tema do Direto ao Ponto do último domingo (14). Depois de três anos de desenvolvimento em parceria com setor produtivo, a iniciativa do Ministério da Agricultura promete cobrir todas as pontas da cadeia de produtos biológicos, desde a normatização para registro à pesquisa e incentivo à produção por empresas grandes e pequenas e até pelos próprios produtores.

Segundo o diretor do Departamento de Apoio à Inovação do Ministério da Agricultura, Cleber Soares, a agricultura vai entrar num terceiro ciclo após passar pela revolução verde e pelos sistemas integrados de produção. “O Brasil tem uma oportunidade ímpar de construir uma nova agricultura para o futuro, que é a agricultura de base biológica”, pontuou.

Soares acrescenta que o país tem uma posição privilegiada por ter a biodiversidade do planeta com farta matéria-prima. “O mundo inteiro tem olhado para nossa biodiversidade como uma forma de uso e aplicação sustentável. O programa de insumos é uma base para alavancar o primeiro grande passo na bioeconomia”. Além das vantagens ambientais, os bioinsumos são um bom um negócio.

De acordo com a Croplife Brasil, o mercado de biodefensivos movimentou R$ 675 milhões no país, crescimento de 15% em relação a 2018. Essa expansão foi superior à média internacional que foi de 10%, também conforme a associação que representa as indústrias de desenvolvimento e inovação nas áreas de biotecnologia, germoplasma, defensivo químico e biodefensivo. Hoje, soja, cana-de-açúcar e café são as culturas com maior área tratada com defensivos biológicos. Atualmente, existem 265 produtos de defensivos biológicos registrados no Mapa, entre bioacaricidas, bioinsecitidas, biofungicidas e bioformicidas.

“Não há grandes expectativas de revoluções tecnológicas e normativas nos setores de químicos como um todo e não só na agricultura. O mundo inteiro tem olhado os ativos de base biológica como uma nova transformação”, completou o diretor do Mapa.

O incentivo ao uso e à produção também virá por meio de linhas de crédito inseridas em programas já existentes, como o Inovagro (financiamento para incorporação de inovações tecnológicas nas propriedades rurais, visando ao aumento da produtividade e melhoria de gestão). No caso das cooperativas, os recursos poderão ser acessados por meio do Prodecoop.

“Isso é bom para todos, bom para o pequeno produtor, bom para o médio produtor, bom para o grande produtor. É bom para todas as companhias, sejam as startups, as multinacionais. Não tenha dúvida que isso vai ser benéfico para o produtor, assim como vai ser benéfico para o consumidor”, concluiu.

Com informações do Canal Rural.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias